Movimento Pró-Democracia

Nossas lutas: * Conscientização Política da População * Instrução dos Direitos e Deveres do Cidadão * Fiscalização dos Processos Eleitorais

16 de set de 2011

Mileitância Sem Compromisso


Assumir, manter e respeitar compromisso, a cada dia que passa está se tornando algo raro especialmente quando se fala em compromisso politico partidário. A politica e os partidos políticos estão cheios de pessoas individualista e isso gerou uma militância sem compromissos. Não assumem, não gostam e não cumprem os compromissos propostos. Ninguém é responsável por coisa alguma, embora cobrem responsabilidade de todos. O resultado se revela desastroso em todas as áreas, gerando distanciamento, desconfiança, incredulidade, descrença e uma insatisfação generalizada.
A sociedade é vitima fatal dessa falta de compromisso. O politico que não toma conhecimento dos anseios e das reais necessidades do povo. A militância partidária, por sua vez, por não ter referencias e não conhecer o verdadeiro papel politico que deve exercer não se compromete a apontar as necessidades do povo e a estabelecer os compromissos e os programas políticos partidários.
Desta forma o estado brasileiro é cada vez mais um estado sem compromisso e mal aparelhado, em busca de um caminho. O povo- a sociedade, o estado- a politica vivem sem garantias sustentável de um relacionamento, comprometido, sadio e funcional. Estamos vivendo uma espécie de união estável, isto é : estável até que os meus interesses sejam confrontados.

Os partidos políticos se estabelecem no poder através do voto popular, através de campanhas caríssimas e não garantem o objeto do pacto em si, ou seja o cumprimento das propostas e programas estabelecidos ao logo das caras campanhas bancadas pelo povo. “As partes elegem o descompromisso e a descrença generalizada como foro para dirimir questões e pendencias”. Os partidos e seus políticos eleitos sabem por antecedência que não cumprirão com o que se pactua na campanha.

Assim é a politica no Brasil, partidos e políticos não cumprem com o contratado. Muda-se de sigla mediante os interesses pessoais. No lamaçal da corrupção que estamos presenciando nos últimos dias envolvendo os mais diversos ministérios fica cada vez mais a mostra para o povo a cara dos partidos políticos.

Estes são verdadeiros feudos da corrupção no Brasil. Tem sido evidente que para os partidos pouco importa os interesses e o bem estar do povo. Eles sabem que o foro do descompromisso – Eu não tenho nada com isso e nem quero ter, e o da descrença – Não acredito na politica e muito menos em politico ou partido politico; jamais terá força para julgá-los e ou condená-los. Estamos todos nós, contribuindo para a construção de um sistema politico sem compromisso com a verdade e com o melhor da sociedade.

Na medicina, um médico ao se formar, se compromete a cumprir o juramento de Hipócrates, mas deixa o doente morre na porta do hospital por não ter convenio, plano de saúde. Afinal Hipócrates viveu em outra era, em outro tempo, ele viveu antes mesmo de Cristo, o mundo mudou os valores também.

Os militantes políticos partidários não são diferentes. Um militante se filia a um partido politico, assume um compromisso de fidelidade partidária (é o que diz a lei) e de cooperação com a ideologia e os programas do partido, se compromete em zelar pelos valores, éticos, morais, da sociedade, mas ao invés disso se cala, se torna seguidor de pessoas e não de programas e ideologias, nega suas “convicções” para não perder a vez, não perder a oportunidade de um dia “quem sabe” ocupar uma vaga em um gabinete, uma assessoria, ou outra boquinha qualquer, são cumprisses de toda esta imoralidade que assola os partidos brasileiros. Os partidos estão deixando de ter militância para ter cumprisses, comparsas.(Os partidos políticos brasileiro estão se transformando em quadrilhas.) Tudo isso fazem sob a necessidade de atenderem seus interesses pessoais. É claro que nesse bojo esta a velha conversa tola da necessidade de se estar no poder para pode fazer. E com isso desprezam valores e passam por cima de tudo. Assim tentam justificar quando vendem seus princípios e moralidade quando rompem com suas propostas e programas.

Sou filiado a um partido politico, confesso que em alguns momentos me sinto como um peixe fora d'água, justamente porque me mantenho firme em minhas posições, a cada dia dou mais valor a verdade que me levou a estar dentro de um partido politico, me sinto deslocado justamente porque no lugar de ser parte de um grupo politico conduzidos pelos interesses políticos de um ou outro individuo me mantenho fiel a ideologia e ao programa do partido que esta inclusive acima das minhas próprias perspectivas pessoais. Me filiei a este partido com o interesse claro e bem definido de usar o partido, com aquilo que ele me apresentou como sendo um instrumento de transformação positiva para a sociedade e isso eu vi como sendo possível na sua ideologia e programa. Para mim todos os militantes deveriam ter o mesmo compromisso.

Todos os dias eu me pergunto, se há um partido capaz de cumprir com seu papel ideológico, a resposta que tenho de mim mesmo, de minhas convicções e de minha esperança pessoal, é de que isso, depende da minha militância, do meu compromisso, da minha ação, da diferença que eu posso e devo fazer no contexto politico em que me inseri.

Sendo assim o meu descompromisso deve ser com a imoralidade, a inverdade, com os interesses pessoais que estão assumindo o papel principal dos partidos e gerando toda esta catástrofe politica partidária que o Brasil vive. Meu compromisso neste tempo é o de fazer a diferença, onde tudo parece ser mau e vazio de bons valores.

O Brasileiro é um povo ordeiro, trabalhador, generoso e de espirito coletivo ele precisa de militantes políticos partidários que também o sejam.

1 comentários:

BirdBardo Blogger disse...

Eu sou a favor da extinção de todos partidos políticos em troca de candidaturas individuais. ISso não vai contra o pluralismo político, já que as idéias de se constituir uma nação boa vem do seu povo e não de suas instituições